Seguidores

13.9.03

Cultura se faz na rua,
tem sensacionais atrações e de brinde, os palhaços do Anonimo apresentando um espetáculo de graça -- tudo isso no cirquinho armado mais ou menos em frente ao
numero 45 da Rua do Mercado - Praça Quinze - atrás do CCBB. Confere a programação aqui e vai á luta, chegando cedo para pegar as senhas para os 150 lugares. Biscoito finíssimo e de graça, quem não quer?

Palhaço Bicudo que foi hoje às 20hs.
Amanhã, sábado,
às 16 hs. tem Juliana Manhães no espetáculo solo "Divino Emaranhado".

Eu já vi e vou rever o belo trabalho sobre a cultura do Maranhão, numa pesquisa da atriz Juliana Manhães, minha colega do curso de bufão e do grupo de cacuriá e do curso de clown do Mestre Dacio Lima (saudosa memória).

17 hs. Oficina de Cacuriá com a Juliana Manhães.

Juliana foi uma das fundadoras do grupo DivinaCurriola -- hoje existente só na saudade -- do qual esta escriba teve o privilégio de fazer parte. Cacuriá para quem não sabe é uma dança do folclore do Maranhão.

19 hs. Grupo Fuzarca da Lira e seus músicos maravilhosos, espetáculo para todas as idades, com abertura d'O Charles com seu número na perna-de-pau.

No domingo,
às 16 hs. Valdevinos de Oliveira com o espetáculo "Os cenouras".

Já vi e gostei do espetáculo desses dois paspalhos, colegas desta paspalha aqui no curso de bufão e nos treinamentos circenses -- um semestre inteiro há quatro anos atrás -- lá no Espaço da Companhia do Gesto, juntamente com o agora "doutor da alegria" Luiz Igrejas, e mais os palhaços Intervalo e Muzzarela. Ah, e sem esquecer o nosso mestre dos malabares, o professor Eugenio - da Escola Nacional de Circo. Eu fiquei mais ou menos craque no diabolô.
17 hs. Oficina de circo

19 hs. Os maravilhosos artistas circenses do Teatro de Anônimo apresentam o sensacional, fenomenal, surpreendamental espetáculo "Tomara que não chova".

E tomara que não chova, porque o cirquinho não tem cobertura. Mas isso não constitui problema. Assistí "O Pregoeiro" do Márcio Libar abaixo de chuva, e o público firme, só quando não deu mais para aguentar -- artista e público -- se retiraram. Mas a maioria do público não foi embora, ficando por ali em baixo das marquises e no bar. E daí o espetáculo continuou ali em frente ao cirquinho, no espaço da Casa do Anônimo, na Rua do Mercado 45, que está sendo reconstruido depois do incêndio. Circense é artista até debaixo d'água -- literalmente.

Grupo Galpão,
de Belô, está na city, em cartaz no Teatro Villa Lobos, com o espetáculo O Inspetor Geral, de Gogol, direção do meu conterrâneo de guerra, o Paulo José. Esse menino ainda vai longe...

Il primo miracolo,
o espetáculo solo do ator gaúcho-uruguaio Roberto Birindelli na comédia de Dario Fo, voltou ao cartaz nesse findi no Teatro Maria Clara Machado, no Planetário da Gavea. Vale a pena conferir.
Eu assistí no mês passado, e o espetáculo não correspondeu a minha espectativa, mas não posso deixar de recomendar pelo texto de Dario Fo, e pelo trabalho de pesquisa gestual e de movimento do ator Roberto Birindelli.

Nenhum comentário: