Seguidores

5.9.03

Um presente do destino

Não escolhi trabalhar com portadores de deficiência. Tal trabalho nunca tinha passado pelos meu planos profissionais. Logo depois da minha formatura em Recuperação Motora - Terapia Atraves da Dança, na Faculdade e Escola Angel Vianna, eu estava investindo animadamente em alguns projetos voltados para a busca da minha expressão artística. Criei e coordenei durante mais de dois anos um grupo de contação de histórias Ao pé da fogueira. E, nessa época, descobri o Mestre Dácio Lima (saudosa memória), e comecei a pesquisa do clown na arte do ator. Além disso, dava muita aula aberta -- aulas gratuitas para mostrar a técnica -- entre outros aprontos.

Estou nessa atividade toda, com muitas idéias e projetos artísticos, quando recebí um segundo convite para estagiar na Fundação Municipal Lar Escola Francisco de Paula - FUNLAR, aqui em Vila Isabel. Enfim, decidí aceitar, porque eu precisava fazer um estágio profissional para cumprir as formalidades exigidas para o exercício da profissão. E, jamais esquecerei das palavras da Mestra Angel Vianna quando me disse com aquele seu jeitinho todo especial:" Olha aqui, minha filha, você está num estágio de vida que tem tudo para dar certo nesse tipo de trabalho".

Passei por várias crises de insegurança, achando que não iria aguentar nem o primeiro mês de estágio, até resolver enfrentar os desafios todos, inclusive os meus medos e preconceitos. E, a Mestra Angel acertou em cheio no seu vaticínio, e tanto que no final do terceiro mês, eu estava definitivamente envolvida e conquistada pelas possibilidades infinitas do trabalho com essas pessoas. É um trabalho muito rico. Vejo o meu trabalho como instrumento de evolução, dando outros parâmetros para me situar no mundo, com outro olhar para a vida e para a arte.

Toda a minha formação profissional -- do teatro às terapias corporais, dança, clown, etc. e tal -- me encaminhou para esse trabalho com portadores de dificuldades especiais. Amo o meu trabalho. E se existe destino, o meu já estava traçado.


Um agito na creche da FUNLAR.

Nenhum comentário: