Seguidores

19.11.04

Um querido Pepê

Outro espetáculo que eu preciso ver urgentemente é SOPPA DE LETRA, em cartaz no Teatro do Leblon, e rever uma pessoa muito querida, e, com a qual tive o privilégio conviver no ínício de sua carreira: o ator PEDRO PAULO RANGEL.
Anos 1970, em cartaz no Teatro Princêsa Isabel, o musical paulista Castro Alves pede passagem, com texto e direção de Gianfrancesco Guarnieri, produção de Othon Bastos e Martha Overbeck, e esta escriba como promoter e divulgadora da temporada aqui no Rio. No elenco, tinha o belo do Antonio Fagundes que fazia o amigo do poeta que era interpretado pelo Zanoni Ferrite (saudosa memória), e o Pedro Paulo Rangel, um jovem ator que gostava também de cantar nas horas vagas.

Depois do espetáculo, ou de algum ensaio extra, elenco e técnicos se dispersavam, e o Pepê pegava o microfone, tomava conta do palco, e atacava de Beatle's, tendo esta escriba, de platéia, aplaudindo embevecida. Adorava essa performance do Pepê, e tanto que é a imagem que eu guardei dele, dessa época.
Nossas vidas continuaram percorrendo seus caminhos, e nunca mais nos vimos. O teatro tem dessas coisas, a gente convive intensamente um determinado tempo, e depois nunca mais se vê. Hoje, o Pedro Paulo Rangel, é um ator respeitado, premiadíssimo, tendo o seu talento reconhecido no teatro, cinema e televisão. Ele está arrasando geral nos "Aspones".

E agora ao invés de cantar, ele recita no palco as letras do repertorio de jóias da nossa MPB, em Soppa de Letra, dirigido pelo Naum Alves deSouza e com músicas especialmente compostas pelo Maestro Radamés Ignatali. Esse trio por si, confirma a excelência de qualidade desse espetáculo. Merece uma ida ao Teatro do Leblon.

Vizinho blogueiro
Num domingo de agosto deste ano, a coluna do Xexéu, entregava a novidade: o Pepê tinha um blog falando sobre a montagem de uma peça. Corrí lá, e pude constatar um blog muito bem feito, e um Pedro Paulo Marques Rangel desenvolto, como se fora um veterano blogueiro, e postando não só da montagem da peça, mas os fatos do seu cotidiano de artista.

Continuei visitando o querido vizinho blogueiro, e tinha vontade de deixar um comentário, mas tinha medo de ser esnobada. Com o sucesso, a gente nunca sabe como anda a cabeça das pessoas. Um dia tomei coragem e me apresentei lá num comentário. E não é que ele veio aqui me visitar, gentil e educado, deixou de imediato um comentário aqui no blog. Fiquei muito contente e lisongeada com a sua visita. Muito querido. Pepê for ever!


Pedro Paulo Rangel no teatro, em "Soppa de Letra",
cartaz do Teatro Leblon.

Nenhum comentário: