Seguidores

28.3.04

Bob Wilson quem diria ... acabou na Comédie!
Decididamente, o Mundo não é mais o mesmo, o diretor americano Robert Wilson a vanguarda da vanguarda do teatro mundial foi convidado e aceitou dirigir um espetáculo para a Comédie-Française -- o templo sagrado dos clássicos do teatro francês, e o que há de mais conservador e tradicional no teatro europeu.
Para colaborar com a Maison de Molière, como é chamada a Comédie pelos francêses, Bob escolheu doze textos das fabulas de Jean de La Fontaine -- tesouro sagrado da literatura francêsa para o povo francês, entre eles "A Cigarra e a formiga", "A raposa e as uvas" e "Os companheiros de Ulisses", entre outros, que ele adaptou para o teatro no espetáculo intitulado Fables de La Fontaine em cartaz até maio na Salle Richelieu da Comédie-Française.
O espetáculo é um sucesso de público e de crítica. Os doze atores do elenco interpretam cada um pelo menos dois animais com auxílio de máscaras, e estão encantados com o diretor e os seus métodos nada ortodoxos de trabalho. Felizardos.

Uma cena de "Fables de La Fontaine" , dirigida por Bob Wilson.

27.3.04


Benjamin de Oliveira, o palhaço que inventou o circo-teatro, no século 19, levando Shakespeare para o picadeiro, entre outros clássicos.

Hoje Dia do Circo e Dia Mundial do Teatro, este blog homenageia BENJAMIN DE OLIVEIRA, o palhaço que inventou o circo-teatro, adaptando e representando textos de Shakespeare e outros classicos da dramaturgia universal, reservando para si os principais papéis masculinos. Ficou famosa a sua adaptação de "Otelo" para o picadeiro entre outros textos do bardo. Representava o papel de Cristo, na Semana Santa, com o rosto pintado de branco, já que era negro. Esse multi-artista do século 19, atuava ainda como cantor, nos entreatos, executando ao violão os grandes sucessos da época: lundus, chulas e modinhas, principalmente as de seu amigo Catuloda Paixão Cearense. Benjamin de Oliveira é considerado o Rei dos Palhaços do Brasil. Nasceu em Minas em 1870, e faleceu aos 84 anos, no Rio em 1954.

24.3.04

Judth Malina e Hanon Reznikov por Gerald Thomas
Ontem a noite, sexta, apos o espetáculo, fui num barzinho no Bowery esquina da rua 1 (perto de onde William Borroughs passou grande parte de sua vida, nos lavatorios desativados do YMCA) pra ver a JUDITH MALINA e Hanon REZNIKOV lerem seus poemas e se reinstalarem em Manhattan como sendo sua base, depois de um longo exilio (auto imposto) na Italia.

EMOCIONANTE! Judith e eu temos um longo passado em comum: 20 anos. Ela, ex-mulher de Julian Beck (os dois são os fundadores do incrível LIVING THEATER, que mudou a historia do teatro no mundo, perguntem ao Zé Celso, perguntem ao Boal, perguntem ao Mundo), eh a ultima SOBREVIVENTE de uma geração de Resistentes como Allan Guinsberg, Borroughs, Keruac, Tim Leary, Bowles, etc. Sem eles não teria acontecido a contracultura, não haveria Ângela Davies, Gloria Steinen. Germaine Greer, Abbey Hoffman, Jerry Rubin.

Sem eles nao teria havido Andy Warhol.

Ontem Judith lia poesias de Julian Beck e eu, comovido ate não poder mais, me lembrava dos tempos em que o dirigi em "That Time", peca de Beckett no mesmo La MaMa Annex onde estou em cartaz hoje com Anchorpectoris (gente...acaba amanha!)
Julian nunca havia pisado fora do Living Theater, exceto pra fazer filmes como "Édipo Rei"(Pasolini), "Cotton Club" (Coppola) e "Poltergheist". Mas em teatro, fui o privilegiado (não sei ate hoje porque) a te-lo dirigido já nos últimos estágios do câncer.
Judith e Hanon liam seus poemas e eram aplaudidos pelas 30 pessoas que la estavam. Me pergunto sempre se o numero conta. Digo, se quantidade de platéia conta. Afinal, ate hoje, Julio Iglesias lotaria um estádio como o Maracanã. Mas...e dai? Essas 30 pessoas eram muito especiais. Eram intelectuais, eram pessoas que estavam absorvendo cada palavra do que estava sendo dito naquele palco daquele bar.
Judith, alem de fazer o Statement de que o LIVING estava de volta (essa MULHERONA de 80 anos, pequena, frágil, LINDA!), também convocava o publico a fazer uma demonstração pacifica hoje nas ruas contra BUSH, que estará na cidade daqui a pouco por causa da convenção Republicana.

Estou com a CNN ligada e ele ainda discursa suas baboseiras na Florida, apoiando seu irmão, governador de la. Que turma! Que horror. De onde moro hoje, oposto a Williamsburg onde passei 22 anos da minha vida, vejo o FDR drive lotado de carros da policia fazendo um cordão, preparados pra receber el presidente.

Poesia não salva tudo. Talvez não salve nada. Mas ontem a noite lavou minha alma. Cultura e Historia ainda são os UNICOS alimentos nessa época nefasta. Judith Malina em seus 80 anos de RESISTENCIA contra a morosidade, contra os Nazistas, contra os macartistas, contra os CARETAS e contra o establishment em geral, esta de PE.
Quantos de nos podemos dizer a mesma coisa com prosa verso e orgulho?

Larapiei do blog do Gerald.

23.3.04

Reciclagem para atores profissionais
Estão abertas as inscrições até o dia 31 de março para os cursos Laboratório do Ator na Coordenação de Teatro da FUNARTE, sob a coordenadoria da atriz Cristina Pereira - Rua da Imprensa, l6 no 6o. andar, sala 613, no horário das 11 às 18 horas, de segunda a sexta feira. Informações pelos telefones 2279-8018 / 2262-9736 / 2279-8095.
Cursos de abertura:
Camila Amado: "Tragédia, Drama, Comédia" ou "Livre-se da sua personalidade".
Os elementos da tragédia, o drama moderno, a comédia.
Segundas e sextas das 20 às 22 horas.
Periodo: de 12 de abril a 04 de junho de 2004.

Emilio de Mello: "Drama Dell Arte" ou "Escola Russa de Atores".
Emilio vai trabalhar Stanislavski através de Dostoiévski com o conto "A mulher alheia e o marido debaixo da cama".
Terças e quintas das14 às 18 horas.
Período de 13 de abril a 03 de junho de 1004.

O curso é gratis. Isso mesmo. Olha aí galera fiquem espertos porque as vagas são limitadas. Depois não digam que eu não avisei.

21.3.04


Imperdível. O Cultural EMERJ (viva a Sílvia Monte) no mês em que se homenageia a mulher, dá a oportunidade de se rever um belo espetáculo, ou melhor, uma bela mulher: Clarice Lispector. Distribuição de ingressos (de gratis) na sala do Cultural EMERJ - Av. Erasmo Braga 115/4o. andar.
Para os Magistrados: de 15 a 19 de Março, das 12h às 19h
Para o Público em Geral: 22 de Março, a partir das 12h Tels: 2588-3366 e 2588-3368

A atriz Rita Elmôr, (na foto do cartaz a própria que é de uma incrível semelhança física com a Clarice), sob a direção do competente Luiz Arthur Nunes encantou o público e a crítica especializada, vivendo a personagem de Clarice em contos, cronicas, cartas, etc., e foi indicada para o Prêmio Shell de Melhor Atriz, em 1998.
Após o espetáculo haverá debate com a Mestre em Filosofia, tradutora, escritora e poeta Rachel Gutiérrez (eu conhecí a Rachel em Porto Alegre como pianista concertista, além desses títulos todos) que em 1994 foi uma das criadoras da Associação dos Leitores e Amigos de Clarice Lispector.
Em tempo: Cada pessoa terá direito a dois ingressos, mas se adiantem porque a corrida em busca do ouro vai ser grande. Voilà.

14.3.04

Bastidores do Carnaval Carioca 2004: Carlinhos de Jesus e gringo bonequeiro
Carlinhos de Jesus aprendeu com artistas bonequeiros do Brasil que santo de casa faz milgres, sim. Foram os bonequeiros da OBA-Oficina de Bonecos de Animação, aqui do Rio, que salvaram do fiasco total a idéia do bailarino para a Comissão de Frente da Mangueira, este ano. O Coisinha (op's) digo Carlinhos, achava que não teria aqui em nosso País, profissionais capacitados para a execução do seu projeto, e importou um bonequeiro americano, diretamente do Carnaval de New Orleans. Acontece que o gringo se deu mal na difícil empreitada, deu os primeiros passos, emperrou, amarelou e se mandou. O furo da notícia (essa a mídia não deu sabe-se lá por quais interesses) foi dado aqui por um bem informado bonequeiro gaúcho.

13.3.04


Le Visage de La Paix (VI) Pablo Picasso

Dizer o quê sobre essa tragédia abominável da humanidade com esses atos terroristas na Espanha? Um dos seus filhos mais ilustres, um dos maiores artistas da humanidade traduziu na sua arte, a indignação e o repudio a todas as formas formas de violência na imagem que se tornou o símbolo da Paz.

12.3.04



Stephen Nisbet e Fabiana Guglielmetti (deitada) e elenco em Anchorpectoris, peça de Gerald Thomas, em cartaz no Teatro La Mama, em Nova Iorque.
O GERALD TEM UM BLOG
Pois é, na sua melhor, detonando todas. Agora descobriu a sua vocação de blogueiro. E já está no blog a crítica do ótimo Contardo Calligaris (Folha de São Paulo, de ontem) falando sobre o seu último espetáculo que acabou de estreiar no La Mama, em Nova Iorque. Não vá ou se arrependerá para sempre...

6.3.04


Cacá Sena e o leão Carlos Roberto confraternizando com os fãs do
espetáculo de domingo passado na Quinta da Boa Vista.

Apitos e lá lá lá no Jardim de Alah e Aterro do Flamengo
Quem não foi à Quinta da Boa Vista no domingo passado, terá mais algumas chances de ver o espetáculo que encantou crianças e adultos na inauguração do Teatro de Guignol da Quinta. Neste sábado, às 11 hs. e às 16 hs. no Teatro de Guignol do Jardim de Alah, em Ipanema e a última chance no domingo, dia 6, às 11 hs no Teatro Carlos Werneck, no Aterro do Flamengo -- altura do número 300 da Praia do Flamengo.
Cacá Sena integrou o Grupo Cem Modos, TV Colosso na TV Globo e Castelo Rá-Tim-Bum na Tv Cultura de São Paulo. Cacá pertence à terceira geração de uma familia de marionetistas de Porto Alegre, o Teatro Infantil de Marionetes (TIM) que está completando neste ano meio século de atividades ininterruptas.
O espetáculo estreou em 1995 e já foi apresentado em diversas cidades brasileiras.

Up date: A gente erramos. Neste sábado, no Jardim de Alah, o espetáulo será apresentado sòmente as 11 hs. da manhã, e amanhã, domingo, terá
outra apresentação á tarde, às 16 hs. Ah, e a de domingo às 11 hs da manhã no Teatro Carlos Werneck, tá valendo a informação. Deu pra entender? Ufa!

5.3.04



Uma eletrizante, hilariante e muitos ante-adjetivos (op's!) foi a performance do trio de palhaços do Teatro de Anônimo: o Seu Flô tocando a sua sanfona, o Cuti-Cuti na regência e a Buscapé (Shirley Britto) -- deitada em palco esplendido, ao sol do meio dia, no chão da Quinta da Boa Vista.


Na foto, o João Carlos Artigos -- o Seu Flô, e o fofo do Cuti -- o palhaço do Márcio Libar.


Outro presente para o público que compareceu na manhã de domingo à Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, na inauguração do Teatro de Guignol: a festa encerrou com a apresentação dos multi-artistas do Teatro de Anônimo e as suas competentes performances circenses -- uma celebração à vida, à arte, ao teatro popular e a cultura brasileira. A essas alturas, ao sol do meio dia, um calor de rachar, e o público todo lá aplaudindo e se emocionando com as mágicas performances desses maravilhosos artistas. Na foto, preparando a performance voadora, a dupla de artistas trapezistas do Anônimo: a Maria Angélica Gomes e a Regina Oliveira.


A boneca gaúcha ESMERALDA, faceiríssima, pela primeira vez desfilando no Rio de Janeiro, ladeada por alegres fãs cariocas. Um sucesso a gauchona!

4.3.04



LIXÃO e ESMERALDA no cortejo brincante que teve a participação prá lá de luxuosa dos ótimos músicos do Cordão do Boitatá, podendo ser vistos aí na foto a Cristiane Cotrim, o Pedro Pamplona, ou será o Thiago Queiroz, ou o Ricardo Cotrim, ou o Kiko Horta, ou os Pedro Mazzilo e Miranda ou André -- será que eu disse o nome de todos? Voilà.

UP date- A Cristiane Cotrim, gentilmente corrigiu lá no comente deste blog: "os músicos da foto do cortejo não são do Cordão do Boitatá e sim do Céu na Terra. Alguns músicos do Cordão estavam se apresentando com o Teatro de Anônimo bem ali do lado". Valeu, Cris. Adorei a tua colaboração e a visita.


Vindo de Porto Alegre para o Rio, especialmente para a inauguração do Teatro de Guignol, na Quinta da Boa Vista, o boneco LIXÃO, sorrindo imponente nos seus três metros de altura, desfila glorioso, abrindo o cortejo brincante que precedeu ao espetáculo de abertura do Teatro de Guignol. Lixão viajou acompanhado da Esmeralda -- os dois são famosos no Sul do País, pelas suas performances em eventos públicos. Esses bonecos gigantes pertencem grupo bonequeiros gaúchos liderados pelo Cacá Sena.


Palmas para ele, o Gestor da Rede de Teatros do Rio, idealizador do Projeto Teatros de Guignol, dando o ar da sua augusta presença, na inauguração do segundo de uma série de cinco que vêm sendo implantados desde dezembro do ano passado. Começou pelo Jardim de Alah e o próximo será no Meier. Passou no grande teste (pra mim) do discurso institucional, sem aqueles blablas óbvios, foi rápido e certeiro. Aqui o belo Miguel (Falabella) atendendo aos fãs. A bela da bolsa colorida é a arquiteta e cenógrafa teatral, a premiadíssima Cica Modesto -- realizadora do projeto da construção do Teatro de Guignol.


Depois do espetáculo, Cacá Sena passeia pelo público, manipulando o leão Carlos Roberto, um dos personagens que mais agradou a criançada. Ao fundo, observando a cena, o boneco gigante Lixão, famoso no sul do País pelas suas performances públicas.

3.3.04



Uma cena de Apitos e lá lá lá com um dos personagens deste espetáculo que teve de Saci Perê que anda de skate a Mula sem Cabeça entre outros personagens da cultura popular brasileira, além de outros personagens do cotidiano.


Crianças de todas as idades -- o óbvio ulula aqui -- na Quinta da Boa Vista, domingo passado, assistindo maravilhadas a performance do artista bonequeiro Cacá Sena em Apitos e lá lá lá, na inauguração do Teatro de Guignol na Quinta da Boa Vista.