Seguidores

11.2.07

Voltou a coluna do Macksen Luiz

Esse blog tem a grande alegria e o prazer de anunciar a volta da coluna teatral do JORNAL DO BRASIL, assinada pelo crítico MACKSEN LUIZ. Depois de anos completamente sumida, e muitos protestos da classe, pois era a única coluna existente na mídia impressa do País para divulgar os bastidores do espetáculo teatral, antes e depois da estréia.
A coluna está sendo publicada todas as quintas feiras, no Jornal do Brasil, na terceira página - inteira - do Caderno B, intitulada "CONTRACENA", trazendo notícias do teatro carioca , dos Estados, e o que está acontecendo de relevante nos palcos de Paris, Londres,etc. na seção intitulada "Palcos do Mundo". Além de entrevista com atores, diretores, produtores, feitas pelo crítico, tem também notícias de cursos, oficinas, testes, etc. na secção intitulada "Cenas Curtas".
Na semana passada tinha uma ótima entrevista com o ator e diretor Gilberto Gawronski, feita pelo Macksen. É tudo que o artista deseja é uma entrevista com o crítico da sua prática artística.
Um fino presente para a classe teatral do País. Parabens ao Jornal do Brasil e ao crítico Macksen Luiz.
Vida longa para a CONTRACENA!

5.2.07

Oratorio da exposição "Aleijadinho e seu tempo" no CCBB do Rio.


Últimos dias
Acaba no próximo domingo, dia 11 de fevereiro, a exposição "ALEIJADINHO E SEU TEMPO: Fé, Engenho e Arte", que já foi visitada por mais de 850 mil (eu teclei oitocentas e cincoenta mil) pessoas em três mêses, e está prestes a se tornar a recordista de público desde a abertura do Centro Cultural Banco do Brasil.

Do CCBB do Rio, essa exposição irá para o CCBB de Brasília, de 10 de março a 10 de junho. Com curadoria do crítico de arte Fabio Magalhães, a exposição não se limita a obras de Antônio Francisco Lisboa (1738-1814), o gênio do Barroco mineiro que ficou conhecido como Aleijadinho.
A grande mostra reúne 208 peças originais do barroco mineiro, entre estatuária, objetos sacros e oratórios, produzidos pelo escultor e arquiteto Aleijadinho e por outros artistas de sua época, como Mestre Piranga, Francisco Xavier de Brito, Mestre Athaíde e Francisco Servas, além de trabalhos de anônimos.

Merecem atenção especial, na sala dedicada a Aleijadinho, a imagem de Nossa Senhora das Dores e a pomba entalhada, que representa o Divino Espírito Santo, ambos do século XVIII. Entre as mais duzentas peças, distribuídas em 11 módulos, há, além de estátuas e objetos sacros, mapas, fotografias e peças de ouro que situam o Barroco mineiro no contexto do Brasil e do mundo no século XVIII.

Na sala dos mestres contemporâneos de Aleijadinho, destaque para a imagem de Santa Maria Madalena, esculpida por Francisco Xavier de Brito. E esse blog destaca também a sala dos oratórios da coleção da Angela Gutierrez que conta lá uma linda historia da sua infancia quando ganhou de presente do pai, o seu primeiro oratorio.

Centro Cultural Banco do Brasil, Rua Primeiro de Março, 66, Centro, tel. 3808-2020. Ter. a dom., 10h/21h. Grátis. Até domingo, dia 11 de fevereiro.
Não vá ou se arrependerá para sempre...
Fonte de pesquisa: Programa impresso do CCBB - novembro/2006 e Rev. Programa do JB (2 a 8 fev.2007).

3.2.07

Salve Iemanjá!


Salve Cuba, Salve Fidel e Salve a Cultura Yoruba!

En honor de los hermanos cubanos, meus queridos amigos do SOM3, Fatima Patterson a maior atriz cubana, Ramiro Herrero e Andrés Caldas e todos os integrantes do Cabildo Teatral da cidade de Santiago de Cuba, ao gaiabero Faustino Ramos, à maravilhosa cantora Helena Burke, e ao "inenarrável" Carlos (da província de Camanguay), entre outros amigos cubanos, estou postando aqui a Yemaya de Yoruba, homenageando a cultura afro-cubana, e a afro-brasileira.